Facebook icon
Twitter icon

A Palavra do Presidente

Haddad recebe a FECOOTRANSP e promete analisar os pleitos da liderança dos cooperados que atuam no município.

18/02/2014 - 15:35

No último dia 04/02 a Federação das Cooperativas de Transporte do Estado de São Paulo – FECOOTRANSP e os Presidentes das Cooperativas e Associações que atuam no Município de São Paulo estiveram reunidos com o Prefeito Fernando Haddad.

Estiveram presentes ainda na reunião o Sr. Secretário de Transporte e Presidente da SPTrans, Jilmar Augustinho Tatto e seu Assessor Financeiro Adauto Farias (da SPTrans).

A reunião foi solicitada pelo fato de que:

(a) o sistema de transporte oferecido por autônomos está muito defasado e não recebe a remuneração mínima necessária para cobrir todos seus custos;

(b)  o projeto de transporte apresentado pela prefeitura (no plano de governo) não atendem às  necessidades mínimas de continuidade na prestação dos serviços dos autônomos.

O assessor técnico das Entidades, Eng. Levi da Araújo, após a realização de protocolo no Gabinete do Prefeito, fez uma exposição bem sintetizada do que os cooperados/associados estão passando  e  as necessidades de "ajustes no projeto de transporte" para a manutenção na cidade do serviço oferecido pelos sócios das entidades federadas.


Lideranças das cooperativas de transporte de São Paulo se reuniram com o Prefeito Fernando Haddad e o Secretário de Transportes Jilmar Tatto. (Foto: Leandro Moraes/UOL)

Após ampla explanação de todos da liderança presentes na reunião, o Exmo. Sr. Prefeito agradeceu pelo nível reunião e se comprometeu, após tomar ciência dos pleitos e das controvérsias,  a fazer uma reunião devolutiva (após o carnaval) para tratar dos assuntos abordados.

Por outro lado a Comissão Parlamentar de Inquérito - CPI, da Câmara Municipal dos Vereadores de São Paulo, apontou que as Cooperativas e Associações trabalham e devolvem parte dos valores arrecadados, enquanto as Empresas de Ônibus transportam menos passageiros e recebem mais, bem como recebem toda a arrecadação com os subsídios pagos pela Municipalidade.

Apartado disso, a Sptrans vem pagando percentuais dos valores produzidos pelos cooperados o que atrapalha e muito a administração do transporte. Isso é uma verdadeira irresponsabilidade e não pode continuar.

Acreditamos no governo municipal, sobretudo no Exmo. Sr. Prefeito Fernando Haddad, que estabelecerá a justiça e o equilíbrio entre os sistemas que englobam o transporte coletivo em nosso Município.

Que nosso bom DEUS abençoe a todos envolvidos para encontrar a melhor solução.

 

Guilherme Corrêa Filho
Presidente da TRANSCOOPER

Haddad quer empresa municipal de transporte para deixar de ser 'refém' de concessionárias

14/02/2014 - 15:33

Tive acesso a uma matéria do RBA e da TVT, com a seguinte chamada:


"Haddad quer empresa municipal de transporte para deixar de ser 'refém' de concessionárias."


Acho que o prefeito tem toda razão em se preocupar com a qualidade do transporte em nossa cidade e principalmente em NÃO ficar refém de nenhum grupo empresarial ou quem quer que seja.

Porém, com todo respeito, discordo da pretensa ideia de se ter disponível na estrutura da municipalidade, uma empresa municipal de transporte com frota e pessoal com a alegação de "deixar de ser 'refém' de concessionárias". Isso NÃO pode existir em uma metrópole como São Paulo, pois o chefe do EXECUTIVO TEM O APOIO DO POVO!!! Eis que ele nos representa!!!

Os veículos se deterioram, os funcionários tem direitos diversos, salários para pagar, reposição de peças, combustível etc, etc, tudo isso custa muito caro e exigem controles e muita dedicação!!!

É desnecessário esse investimento por parte do governo municipal, pois custa muito manter uma empresa de transporte, ainda mais se esta ficar "parada" à espera da hora de operar.

Ocorre que os concessionários MANDAM na gestora do sistema de transporte, têm uma "força" de mando muito estranha na pasta de Transporte.

É certo e sabido por todos que existem funcionários sérios e comprometidos com o sistema de transporte da cidade, bem como com a coisa pública, mas sempre ficam meio que "encostados", pois nada podem fazer. Eis que os "encostam para não atrapalhar pretensas atitudes alheias ao interesse público".

Se simplesmente o governo exigir por meio de profissionais sérios (que não sejam alienados) o cumprimento dos contratos com justiça e equilíbrio, e também bloquear maus funcionários, tudo se resolveria sem investir em veículos e pessoal para operar a nova empresa.

O sistema de transporte de São Paulo dá opção ao prefeito de "prestigiar" quem trabalha honestamente e "penalizar" quem trabalha de forma desonesta.

Temos 2 (dois) prestadores de serviços na cidade: "EMPRESÁRIOS" e "AUTÔNOMOS/COOPERADOS". Desta forma, fica fácil para o chefe do executivo, pois se um determinado operador não estiver atuando corretamente, é possível "passar" a operação para o outro que trabalha de maneira séria e melhor.


CPI do transporte demonstrou que o serviço das cooperativas é melhor, mais eficiente e mais barato. (Foto: Sidnei Santos)

Então, se temos dois "fornecedores" de serviços, no meu entender é desnecessário criar essa nova estrutura que custará muito caro ao erário público.

A CPI do transporte na Câmara Municipal demonstrou que o serviço oferecido por cooperativas é melhor, mais eficiente e mais barato; sugerem que sejam incluídos pelo menos mais 2000 (dois mil) veículos de autônomos.

As Cooperativas e seus cooperados/associados recebem a título de remuneração pelos serviços prestados apenas R$ 1,55 (um real e cinqüenta e cinco centavos) em média. É certo que esse valor é insuficiente para cobrir os custos operacionais, mas com um reajuste de apenas mais R$ 0,20 (vinte centavos) o serviço ficaria justo para ambos (operadores e governo/usuários).

Já as empresas do setor recebem R$ 2,45 (dois reais e quarenta e cinco centavos) em média e querem mais e mais...

Então, o nosso prefeito pode "ajustar" os contratos e "mexer" no pessoal (funcionários públicos) que administram o transporte para resolver tais dúvidas, isso sem necessitar o investimento anunciado.

Essa é minha opinião.


Guilherme Correa Filho
Presidente Transcooper

Novo site Transcooper e as diferenças entre transportadores autônomos x empresários

11/11/2013 - 15:49

É com muita satisfação que apresentamos o novo website da nossa Cooperativa TRANSCOOPER. 

A proposta é, em apertada síntese, ser um elo entre nossos clientes (os usuários(as) do transporte público de passageiros), com os administradores da TRANSCOOPER, bem como com seus cooperados/associados(as) e com os órgãos do governo em geral. Clique nos menus e conheça toda a variedade que o novo site da TRANSCOOPER oferece. 

Com essa nova ferramenta pretendemos diminuir a distância entre os vários atores interessados na prestação do serviço de transporte (usuários, operadores, governo, etc.) com a excelência que o usuário merece. 

Usem, abusem, e nos mandem sugestões, denúncias e solicitações, que estaremos receptivos e prontos para atender suas reivindicações. Esperamos sobretudo poder contar com os internautas para essa nova fase que entrará o transporte coletivo em São Paulo. 

Nesta seção destinada ao espaço para o Presidente, pretendo expor minhas opiniões e considerações sobre os vários fatos e atos que ocorram no transporte coletivo de passageiros.  

 

Visão geral sobre a situação dos transportadores autônomos x empresários 

Guilherme Corrêa Filho - Presidente da TranscooperNossos cooperados/associados(as) que atendem às mais distantes comunidades  querem, como sempre quiseram, prestar o melhor serviço aos nossos clientes usuários do transporte, em que pese a inércia e o descaso do Governo, que em quase nada ajuda e na maioria das vezes atrapalha essa classe trabalhadora. 

É importante que os internautas saibam que os cooperados/associados(as) nunca tiveram qualquer incentivo de nenhuma esfera dos Governos, quer sejam FEDERAL, ESTADUAL ou MUNICIPAL. Todo investimento e esforço é feito por meios próprios, sem os incentivos dados aos empresários do setor, tais como:  

  • Financiamentos feitos pelo BNDeS com 2 (dois anos) de carência para início dos pagamentos; 
  • Maior fatia na partilha da remuneração pelos serviços prestados; 
  • Estreito relacionamento com os setores dos Governos e pronto atendimento em seus pleitos. 


É certo que, para os autônomos (COOPERATIVAS), é tudo ao contrário, como se o serviço fosse diferente, vejam só:  

  • Financiamento com CDC comum junto aos bancos com altas taxas de juros e sem carência; 
  • Menor remuneração para os trabalhadores pelos serviços prestados; 
  • Difícil relacionamento com os setores do Governo, pois consultam e pedem permissão aos EMPRESÁRIOS para eventual atendimento aos pleitos dos Autônomos (COOPERADOS). 


Acompanhem as deliberações da CPI do transporte em curso da Câmara dos vereadores e a Comissão de Transporte criada pelo nosso Prefeito Fernando Haddad, o qual acreditamos em sua seriedade, ambas estão demonstrando que as COOPERATIVAS e seus cooperados(as) trabalham mais, transportam mais e recebem menos que os EMPRESÁRIOS. 

No Edital (suspenso pelo prefeito) a proposta era diminuir a quantidade de veículos vinculados às cooperativas e aumentar a quantidade de veículos vinculado aos empresários (MESMO SENDO MAIS CARO). 

Agora com os chamados seccionamento de linhas, querem manter os EMPRESÁRIOS nas periferias se sobrepondo com às COOPERATIVAS, mais um aceno de preferência pelo tipo do transportador que deve se prevalecer em nossa cidade. 

Outro ponto importante é o fato de querer impor aos operadores que se cumpra as partidas estipuladas pela SPTRANS. Isso é por ora uma intransigência sem cabimento, pois a SPTRANS em momento algum, em conjunto com a CET, liberou todos as vias que os veículos do transporte circulam para se impor tal exigência. Na nossa opinião, primeiro os órgãos que administram o transporte devem fazer a sua parte, tirando veículos particulares e demais obstáculos dos itinerários dos ônibus e microônibus, para depois exigir dos operadores, caso contrário cometerão mais essa injustiça.   

Ora, em tempos de economia e solicitação da sociedade de um transporte de qualidade por um preço justo ou até 100% (cem por cento) custeado pelo Governo, nos parece que as pretensões dos administradores do transporte em nossa cidade estão INDO CONTRA O ANSEIO POPULAR e prestigiando os EMPRESÁRIOS, que custam bem mais caro, o que em nosso ver, fere o erário público! Muito estranheza nos causa essa espécie de preferência, não acha?  

Vejam os novos veículos que estão sendo adquiridos e postos nas linhas pelos EMPRESÁRIOS, veículos esses de quase R$ 1 milhão de reais. SERIA PARA JUSTIFICAR A MAIOR PARCELA DE VERBAS DESTINADAS A ELES, AGORA QUE FOI DESCOBERTA A PARTILHA E DIVISÃO INJUSTA? 

Vamos todos acompanhar! Não podemos e não vamos abrir mão de nossos direitos ao trabalho e ao bem estar dos nossos usuários, que acreditam em nossos cooperados/associados(as) em suas incansáveis jornadas que pegam cedo na labuta,  "batendo a alavanca" do câmbio todos os dias, de segunda a segunda, 24hs à disposição da população.  

Aos cooperados(as), tratem sempre bem nossos usuários e a estes obrigado pela preferência em usar o transporte dos nossos companheiros que dedicam seu trabalho para assegurar o direito de ir e vir da população, sobretudo das áreas mais esquecidas pelos Governos. 

Até a próxima! 

Guilherme Corrêa Filho 

Presidente.