Facebook icon
Twitter icon

A Transcooper

Definição de cooperativa: É uma associação autonôna de pessoas que se unem voluntariamente para satisfazer aspirações e necessidades econômicas, sociais e culturais comuns, por meio de uma “empresa” de propriedade coletiva e democraticamente gerida.

O Cooperativismo no Brasil rege-se pela Lei Federal 5.764 de 16 de dezembro de 1971, sendo que todas as cooperativas devem ser registradas junto a OCB – Organização das Cooperativas Brasileiras, como determina o art. 107.

A TRANSCOOPER foi fundada em 1997, por 20 ex-“perueiros”, em meio à pressão e ao lobby dos empresários de ônibus para o extermínio dos motoristas autônomos da Cidade de São Paulo.


 

Foi a primeira cooperativa de São Paulo com o objetivo de organizar e legalizar os serviços de transporte de passageiros oferecido por autônomos, organizando o serviço até então prestado de forma precária. Oferecendo aos Cooperados, estrutura de garagem, ferramentas e condições para a realização de um trabalho mais justo, voltado para o bem de toda a Sociedade.

Uma das conquistas da Cooperativa foi juntamente com suas co-irmãs a regulamentação do sistema de transporte coletivo na capital, fruto de muita dedicação, perseverança e diplomacia de seus dirigentes, os grandes responsáveis pela manutenção e defesa dos direitos dos profissionais do setor. 

A TRANSCOOPER passou por muitas dificuldades naquele período, tanto pela baixa adesão dos cooperados, como pelo desinteresse do poder público, que impedia a criação de incentivos para a filiação de novos proponentes. Obteve seu registro no Sistema Cooperativista junto à Organização das Cooperativas Brasileiras - OCB, na data de 19 de janeiro de 1998, sob o número 1.377. Após muita luta em favor da categoria, a Cooperativa participou do maior processo licitatório da cidade de São Paulo em 2003 e ganhou em três das oito áreas oferecidas, de acordo com o edital licitatorio que previa a pafrticipação de até três áreas de operação por cooperativa. Na implantação do novo sistema de transportes,  a Transcooper participou e acompanhou as mudanças e a evolução do novo sistema, que tinha como base a integração com todos os veículo de trasnportes. A bilhetagem eletrônica, que foi totalmente inovadora e inédita no brasil, com o lançamento do bilhete unico, dava direito a até 4 integracões nos ônibus e lotações com o pagamento de uma única tarifa. Para isso, a Transcooper foi obrigada a se equipar com máquinas ultra modernas tanto na garagem como em toda a frota operacional, promovendo vários cursos para lidar com os novos equipamentos. Foi uma mudança radical, com alterações nos  itinerários e na programação das linhas. Além disso, houve a necessidade de treinar os operadores para atender os portadores de mobilidade reduzida, conforme determinação da prefeitura.

A Transcooper, sempre defendendo o sistema cooperativista,  participou ativamente da 2a Conferencia das Cidades do Ministério das Cidades, cujo regimento interno no capitulo II, art 3, inciso II, prevê: “ACOMPANHAR E AVALIAR A IMPLANTAÇÃO DA POLITICA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO, EM ESPECIAL AS POLÍTICAS DE HABITAÇÃO, DE SANEAMENTO AMBIENTAL, DE TRÂNSITO, DE TRANSPORTE E MOBILIDADE URBANA, E RECOMENDAR AS PROVIDENCIAS NECESSARIAS AO CUMPRIMENTO DE SEUS OBJETIVOS”. A TRANSCOOPER juntamente com a OCB, garantiu uma cadeira no Conselho do Ministério das Cidades para a OCB no ano de 2003.

Em 2005, a reeleição da OCB se deu pelo fato da Transcooper ter novamente garantido a cadeira de Conselheiro no Ministério das Cidades. Em 2007, além de garantir a continuidade da OCB, no Ministério das Cidades, a cooperativa por seu empenho e dedicação dos dirigentes obteve a indicação da OCB para participação efetiva junto ao Ministério, sendo indicado o Sr. Guilherme Corrêa Filho, atual Diretor Presidente da Transcooper. Atualmente como sócia Fundadora da FECOOTRANSP – Federação das Cooperativas de Transporte do Estado de São Paulo, a TRANSCOOPER é membro integrante do Conselho Nacional de fundação da CONFETRANS - Confederação Nacional das Cooperativas de Transporte, a ser constituída em 2008.  Em 2007, a Transcooper concorreu e venceu a licitação no Município de Santa Isabel, para a operação de contrato de 15 (quinze) anos sob regime de concessão, quebrando paradigmas e provando que Cooperativa pode participar de licitação em pé de igualdade com as Sociedades Empresariais Limitadas, para vencer e prestar um serviço de qualidade em real parceria com o Governo Local.   

 Essa trajetória de sucesso foi marcada por muita PERSISTÊNCIA de seus dirigentes, que lutaram pelo reconhecimento da classe e pelo bem-estar dos cooperados.  Atualmente, a TRANSCOOPER atua em toda a região Sudeste e conta com 3 pátios totalmente estruturados capazes de atender a seus associados, com dinamismo e eficiência. Uma equipe de profissionais capacitados fica responsável pela prestação de serviços, como:

  • Cursos de Capacitação Cooperativista e de Direção Defensiva;
  • Planejamento, Programação e fiscalização de Linhas
  • Departamento Jurídico
  • Departamento Contábil com Auditoria Independente e prestação de contas à OCESP e à Prefeitura Municipal de São Paulo
  • Departamento de Apoio ao Cooperado em todas as Áreas inclusive Social.
  • Sistema de controle informatizado
  • Gerenciamento da Qualidade dos Serviços Prestados



Toda a frota de veículos recebe manutenção preventiva e corretiva. Serviços de mecânica, elétrica, funilaria, pintura, borracharia e guincho estão à disposição 24 horas por dia, e são realizados dentro dos padrões estabelecidos pelo Órgão Gestor do Sistema a SPTRANS.

O abastecimento dos carros é feito nas próprias garagens, sendo o diesel comercializado a um preço mais baixo para os Associados, vantagem adquirida oriunda de contratação em consórcio com outra Cooperativa operadora das áreas 1, 2 e 4,  gerando uma economia anual representativa, que custeia parte do dispêndio dos Cooperados, na manutenção da entidade.  A parceria com multinacionais de porte é fruto da confiança e credibilidade depositadas na Administração da Cooperativa.  Com políticas de otimização dos custos operacionais, a Transcooper tornou-se sócia proprietária da marca IBRAVA – Industria Brasileira de Veiculos Automotores, empresa responsável pela produção de carrocerias de ônibus e micro-ônibus para os veículos da Cooperativa. Esse serviço representa uma redução significativa no custo final dos veículos além da participação nos lucros dos cooperados acionistas da IBRAVA.

O processo logístico é auto-suficiente e opera de forma integrada através de softwares desenvolvidos especificamente para a Transcooper. Seus veículos possuem rastreadores via satelite e um setor de planejamento operacional aguerrido.  

O aspecto social também está presente nas políticas da Transcooper, que anualmente faz doações de brinquedos para crianças carentes da periferia. Atualmente, existem mais de 100 (cem) veículos adaptados, para atendimento ao portador de mobilidade reduzida. Em 2006 a Transcooper incentivou e fomentou a constituição da Cooperativa Habitacional “CDHTU”, que tem como objetivo propiciar moradia com preços compatíveis aos seus cooperados e familiares. Para o ano de 2008, a cooperativa inaugurará salas de  cursos de informática gratuitos para os Cooperados e seus Familiares extensivos à comunidade de baixa renda, criando salas de aula no interior de suas garagens. O projeto mais ousado da Transcooper para o ano de 2008 é, juntamente com as suas co-irmãs de São Paulo, constituir uma cooperativa de Crédito mútuo para todos os operadores cooperados que prestam serviços na Capital de São Paulo.